(41) 9 8402-8472
(41) 9 9784-8648
contato@consultoriaconfianza.com.br

Como fazer um planejamento tributário eficiente?

Como fazer um planejamento tributário eficiente?

Descubra como fazer um planejamento tributário eficiente que irá ajudar a sua empresa a se estabelecer melhor no mercado.

O planejamento tributário é uma das etapas mais importante dentro de uma empresa. É ele que vai ajudar a nortear o caminho mais seguro e estável para um empreendimento ser financeiramente viável, seja novo ou consolidado. Entretanto, existem muitas dúvidas em torno deste assunto na cabeça dos empresários, principalmente de como fazer um planejamento tributário eficiente.

A nossa função, aqui, é ajudá-lo a compreender esse assunto desmistificando o seu processo, desde como definir um planejamento tributário até a conhecer um passo a passo de como construir um planejamento.

Dessa forma, venha conosco saber um pouco mais sobre esse assunto que chama muito a atenção de pequenos, médios e grandes empresários no Brasil e descubra de uma vez por todas como fazer um planejamento tributário.

Defina o planejamento tributário

O planejamento tributário envolve um planejamento empresarial a curto e médio prazo. Ele não é apenas um regime de tributação para empresa escolher no ano de atuação, mas um caminho a se seguir.

Para descobrir o que precisa ser implementado, será necessário definir cada etapa que norteia o planejamento tributário e as suas variáveis que envolvem alguns setores empresariais, tais como o administrativo, o econômico e o tributário. Será necessário também analisar o tipo de atividade exercida pela empresa, assim como prever os possíveis cenários. Contudo, existem outros pontos que merecem atenção, tais como:

  • Histórico da empresa?
  • Expectativa de faturamento ou receita bruta?
  • Despesas operacionais?
  • Despesas com pessoal?
  • Margem de lucro?

A partir do apuramento inicial desses dados, o empreendedor pode definir qual será regime tributário melhor para a sua empresa e o seu empreendimento. Além de definir o regime a ser seguido, os dados coletados inicialmente servirão como subsídio para ser feita uma análise, como ver se existe casos de incentivo fiscal (isenção, redução de alíquota) que se encaixem na atividade da empresa.

Além disso, também deve ser observado o tipo de regime. Aqui no Brasil, existem quatro regimes que uma empresa pode adotar dependendo do seu faturamento ou perfil., são eles:

  1. Microempreendedor individual (MEI)?
  2. Simples nacional?
  3. Lucro presumido?
  4. Lucro real ?

Procure um especialista em planejamento tributário

Visto que não é qualquer um que consiga fazer um planejamento tributário completo, é muito importante encontrar um profissional qualificado como um contador ou uma empresa de consultoria.

Simplesmente não dá para brincar com regime tributário porque fazer a escolha errada pode fazer você perder muito tempo e dinheiro, afinal só é possível trocar antes de cada ano fiscal ser iniciado.

Portanto, é fundamental encontrar um profissional de confiança para fazer todas as análise necessárias e desenvolver um comparativo entre os regimes existentes: lucro presumido, lucro real e simples nacional. Além das possíveis peculiaridades que cercam impostos como o ICMS e o ISS, por exemplo.

Veja abaixo um exemplo hipotético:

Para você entender melhor a importância da escolha do regime tributário, resolvemos criar um cenário hipotético sobre os tributos IRPJ e CSLL que são cobrados sobre o faturamento da empresa.

No Lucro Presumido, o Lucro é obtido de forma presumida por meio de um cálculo matemático que assume porcentagem do lucro determinado pela Receita Federal de acordo com as atividades.

Já no Lucro Real, o cálculo é baseado no cálculo do negócio, em que a empresa precisa registrar todas as suas despesas e custos para deduzi-las da receita, o que pode mudar drasticamente o quanto uma empresa tem a pagar de imposto:

Cenário Hipotético

  • Valor de Custo de Mão de Obra: R$ 12.000,00?
  • Valor de Prestação de Serviço: R$ 18.000,00?
  • Despesa de Venda (Comissão): R$ 2.000,00?

Lucro Presumido

  • IRPJ: R$ 18.000,00 x 32% (lucro presumido) = R$ 5.760,00 x 15% (% do IRPJ) = R$ 864,00?
  • CSLL: R$ 18.00,00 x 32% (lucro presumido) = R$ 5.760,00 x 9% (% do CSLL) = R$ 518,40?

Total de IRPJ e CSLL: R$ 1.364,40

Lucro Real

  • Lucro Apurado: R$ 18.000,00 – R$ 12.000,00 – R$ 2.000,00 = R$ 4.000,00?
  • IRPJ: R$ 4.000,00 (lucro apurado) x 15% (% do IRPJ) = R$ 600,00?
  • CSLL: R$ 4.000,00 (lucro apurado) x 9% (% do CSLL) = R$ 360,00?

Total de IRPJ e CSLL: R$ 960,00

Nesse caso, a melhor opção para a empresa seria optar pelo Lucro Real, pois com ele seria possível economizar em torno de R$ 404,40. E esse é só um pequeno exemplo, pois há ainda mais tributos e detalhes que são levados em conta na hora de se escolher um regime tributário.

Por esse e outros motivos que uma empresa precisa de especialistas que atendam a necessidade de áreas como contábeis, administração e direito. Eles serão responsáveis por auxiliar na escolha do melhor regime tributário e analisar os aspectos dos tributos devidos — como ICMS, ISS, competência estadual e municipal.São eles também os responsáveis por adotar métodos legais que afastem a simulação fiscal.

Entretanto, sabemos que existem casos em que uma empresa não tem como assimilar profissionais com tal calibre e conhecimento. Sendo assim, a melhor alternativa é recorrer a empresas de consultoria especializadas que vão auxiliar na elaboração do planejamento tributários.

Passo a passo para realizar um planejamento tributário

Para criar um planejamento tributário, é importante você compreender cada ponto que envolve o seu desenvolvimento. Por isso, separamos aqui o passo a passo de como montar um planejamento tributário.

1º Passo: conheça a empresa

Não tem como montar um planejamento tributário se você não conhecer as atividades desenvolvidas pela sua empresa, como funciona o seu ciclo financeiro e operacional, sua estrutura de capital e os seus processos que envolvem o setor operacional e administrativo. Esse passo é um dos mais longos, pois ele demanda tempo para ser feito a coleta de dados e a sua análise completa, sendo fundamental para o prosseguimento dos demais.

2º Passo: conheça a legislação tributária

Aqui é bastante imprescindível conhecer e ter noção de Direito Tributário, Legislação Tributária, Contabilidade Tributária e Planejamento Tributário para saber qual o melhor caminho a ser tomado e qual situação a empresa se enquadra melhor. Neste ponto, você conseguirá ter uma noção um pouco mais ampla de qual tipo de regime a empresa se encaixa para poder seguir em frente.

3º Passo: entenda como e a apuração dos regimes tributários

Após a pesquisa teórica ser feita, é chegado o momento de entender como funciona o Lucro Real, Lucro Presumido, Lucro Arbitrado e Simples Nacional. Além de ter conhecimento da composição da base de cálculo que fará toda a diferença na apuração final do negócio,

4º Passo: verifique o impacto do PIS e COFINS no planejamento

Aqui, é importante levar em consideração o Regime Cumulativo e Não Cumulativo no planejamento tributário. Por regra, as empresas que têm como regime o Lucro Real devem apurar o PIS e COFINS pelo Regime Não Cumulativo e as empresas que se enquadram dentro do Lucro Presumido, pelo Regime Cumulativo.

Em alguns casos, existem exceções que deverão ser consideradas. No entanto, o mais importante é considerar, como um todo, a economia tributária, ou seja, não apenas considerando o Imposto de Renda e a Contribuição Social.

5º Passo: conheça os planos da empresa a curto e médio prazo

Neste passo, é muito importante conhecer as expectativas da empresa para os anos seguintes, se existe alguma estratégia de expansão, uma projeção de orçamento e fluxo de caixa.

Isso é necessário, pois apesar do regime tributário poder ser alterado todos os anos, as empresas, em geral, não o fazem, já que não é apenas os regimes que mudam, mas todos os processos que envolvem a apuração dos tributos.

6º Passo: crie cenários

Uma boa forma de entender como cada regime irá agir dentro da sua empresa é criar cenários. Eles ajudaram a verificar como seria a tributação em cada opção escolhida pela empresa, além de também ser possível verificar os prós e contras de cada um. Mas lembre-se que o contador fornece as informações, mas nem sempre será ele quem decidirá o regime tributário e, sim, os gestores da empresa.

Seguindo esses passos, você poderá montar um planejamento tributário para a sua empresa. Mas caso sinta dificuldades nesse processo ou não disponha de profissionais qualificados, você poderá entrar em contato conosco da Consultoria Confianza. Nós também somos craques no tema para ajudá-lo com essa etapa do seu negócio.

 

Fonte(s): ExameBKR e FBT

Tags:

Call Now ButtonLigar Agora
WhatsApp Contate-nos